SER SÓ JOGADOR DE FUTEBOL É POUCO, É PRECISO SER CIDADÃO

Tomo a frase de Casagrande, na GloboNews, 05 de junho, para iniciar a reflexão. A Copa América virou notícia no mundo:

    BBC Brasil: Como torneio [Copa América] perdeu relevância e prejudica clubes brasileiros.
    CNN Internacional: 'Let's talk at the right time,' says Casemiro on Brazil hosting Copa America.
    Global Times: COVID-19 threatens Copa America one month out.
    Só Foot: C'est quoi ce bordel autour de la Copa América?

O francês SoFoot é espetacular ao chamar a Copa América de bordel. Bordel, para os mais puritanos é um tipo de prostíbulo da pior espécie. Como se houvesse algo bom. Mas dentre eles, é o de pior instalação. Então, o noticioso esportivo francês compara a Copa América com o que há de pior.

A democracia corintiana foi um tempo diferente do qual vivemos hoje. Compreendê-la é uma forma de resistência política às mortes sangrentas proporcionadas pela ditadura militar. Na democracia corintiana os jogadores se envolviam na tomada de decisão dentro do próprio clube. O movimento representou um sopro de esperança na sociedade brasileira massacrada por políticos militares e pela burguesia civil. Entretanto, ela não conseguiu ultrapassar os muros do próprio clube e não proporcionou uma luta pela dignidade humana nos outros clubes.

Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@professoralbio

Aristóteles afirmou que todo homem é um animal político, portanto, todos nós somos politizados em certo grau. Aquele que diz que não defende também uma postura política. O não envolvimento, e o silenciamento, é uma tomada de posição, talvez a pior entre elas. Tudo é política, não há como separar uma posição diante da desestruturação estabelecida por um vírus. Que surgiu após os Jogos Militares de Wuhan. Tomar a vacina é uma posição política. Negar a ciência é uma posição política e calar-se também é.

Torço demais para que os jogadores da seleção da CBF façam uma forma de protesto que vá além do verbo.  Torço para que boicote da Copa América, ou senão, pelo menos que façam em campo algo que marque o momento. Que se inspirem na democracia corintiana. Isso é uma atitude politizada.

É uma pena que nos últimos dias os meios de comunicação tenham se restringido a discutir a polêmica da tomada de decisão dos jogadores reduzindo um ser a favor ou contra. Poder-se-ia seguir o debate da utilidade da Copa América proposto pela BBC, ou uma análise de conjuntura como a Global Times aponta, ou ainda, desvelar o bordel promíscuo que é a organização da Copa América.

Independente do posicionamento dos jogadores, o papel da mídia deveria ser de enfatizar uma tomada de decisão diante do fato que até agora vivenciamos.  A Copa América não tem lugar em meio a tantas mortes. Aproveitar esse momento para se beneficiar em favor dos direitos de transmissão é um discurso medíocre e indiferente às tantas mortes que se foram. Uma atitude que coloca em risco a vida é uma decisão política e cabe ao futebol nesse momento junto com a mídia um pacto em nome da vida e em nome da esperança.

O futebol muitas vezes parece descolado da realidade. E outras vezes ele constrói uma imagem a partir de uma realidade ficcional. A mídia embarca no paralelismo. E há aqueles que tomam um meme de Tite junto a Lula, e acreditam que aquilo é o único posicionamento possível. É ingenuidade ou mau-caratismo. Sinto falta da politização a reivindicação, do rompimento da bolha em favor de uma sociedade melhor e menos injusta. Que o exemplo da democracia corintiana permita aos jogadores perceberem o potencial reflexivo que possuem na sociedade e que possam olhar a mídia além da bolha que a cerca. 

Foto: Reprodução/Conmebol