(Reprodução)

ATÉ QUE PONTO A RECORD RIO VALERÁ A PENA PARA O CARIOCA?

O grupo Globo (TV Globo, boa parte da rede, SporTV e Premiere) pagaria mais de R$ 100 milhões para o Carioca. Apenas o contrato da TV aberta, segundo o divulgado em vários veículos, R$ 11 milhões, por ora, apenas alguns estados verão o carioca. TV paga apenas pay-per-view (a negociar com algumas operadoras). Os clubes negociarão via streaming. Existe a esperança de arrecadar mais com a venda do PPV. Mas vale a pena? A exposição da marca ficará restrita. Tudo isso nasce, porque um clube bateu o pé e quis mais dinheiro. Mas, será que a vontade de um prevalece sobre os demais? Os pequenos sofrerão com menor exposição de mídia, por conta da cobertura restrita da RecordTV, sem canais esportivos da TV paga e com uma venda de PPV que de longe, mas de longe mesmo não atingirá os números do Premiere e as operadoras que ele já está presente. Sem exposição, haverá maior dificuldade, a curto prazo de atrair patrocinadores, e a longo prazo, de estabelecer uma ligação afetiva com novos torcedores. Não estou a defender o modelo globo, mas se o monopólio é ruim, fazer futebol sem a “grande parceira” é um negócio de muitos e muitos riscos. Além de tudo, parece que o futebol carioca ainda não entendeu o seu real tamanho no futebol brasileiro, urge superar os delírios de grandeza.
Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@professoralbio


QUEM QUER SE GRANDE VERDADE..

Na contramão dos delírios de alguns cartolas brasileiros, há dois movimentos internacionais interessantes. Há um discurso e estudos em andamento da fusão de duas ligas. Um movimento está na Europa, Holanda e Bélgica, estudam fundir as duas competições nacionais e na mesma lógica, na América Norte, MLS e Liga MX pensam num mesmo movimento. A MLS já conta com equipes canadenses. Na defesa da fusão, o argumento de produto forte com maior valor midiático é ótimo argumento. Não é questão de elitização da competição, mas valorização do produto em todas as escalas, seja no reconhecimento mundial, seja na valorização das pequenas equipes.

TESTAMOS O SPORT FLICK

A coluna testou ao longo da semana o OTT Sport Flick, em Android TV. O serviço de streaming conta com Cricket, lutas e futebol. Parte dos serviços são vendidos em PPV, todo menu em português. No futebol a Liga Primeira, da Nicarágua, está free e é o “carro-chefe”. Narração em inglês. Se houver algum leitor aficionado pelo futebol nicaraguense, os jogos também são mostrados na língua mater no YouTube. Pelos testes, a Sport Flick apresentou vários travamentos, e no YouTube, uma transmissão lisa o tempo inteiro. Ambos testados em uma conexão de 100 Mpbs/fibra.