Coluna do Professor #347, por Albio Melchioretto

(Foto: Reuters/Pilar Olivares)

EXEMPLOS MELHORES

A coluna por diversas vezes teceu críticas ao modelo de negociação dos direitos de transmissão adotados na Série A do Campeonato Brasileiro. Não há sentido vender uma liga por clubes, em vez, do torneio. O mesmo vale para as Eliminatórias Sul-Americana. Imagine se isso fosse, por exemplo, em uma Copa do Mundo. O Canal A tem direito a 30 seleções e outras 2 não entrariam em acordo. E mais, são justamente são essas duas que estão na final… uma copa no escuro. Assim acontece com os jogos do Athletico Paranaense no brasileiro, sem contrato com o pay-per-view, 38 jogos não são mostrados e poucas vezes aparece na televisão aberta.

O modelo adotado no Brasil vem desde 2011, quando a RedeTV! levou os direitos do torneio nacional e o grupo Globo começou a negociar individualmente os contratos. A ação levou o Clube dos 13 a extinção. Ele perdeu sua função porque a única coisa que fazia, e mal, era a gestão dos direitos de transmissão. Se o C13 lutasse pela liga, ainda estaria vivo e hoje mais competitiva. Recordar é viver. Ainda, se hoje a Globo reclama (com direito) da postura do Athletico e força sobre ele, foi este mesmo grupo que deu início a este tipo de negociação.

Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@professoralbio
O modelo adotado por aqui não é único no mundo. Dos grandes torneios, a Liga MX (México) e a Primeira Liga Nos (Portugal) também seguem nesta lógica inoportuna. Em Portugal, 17 clubes possuem contrato com o canal SportTV e o Benfica o faz através de canal próprio, a BenficaTV. Entretanto, o que vale em Portugal é o direito de Arena, coisa que não tempos por aqui. O direito pertence ao mandante.

Há um grande problema no modelo individualizado. Nos primeiros anos de prática ele gera uma renda maior aos clubes envolvidos. Inflaciona o mercado. Os grandes conseguem bons contratos e os menores sofrem. Aconteceu tanto em Portugal quando no Brasil. O problema que os lusitanos já perceberam, o que aqui no Brasil demorou-se para tal, mas há se sentir, é a perca de interesse pelo produto e menor exposição da mídia. Com o passar do tempo o interesse midiático volta-se para os envolvidos com contrato em maior grau e para os não envolvidos em grau menor.

O caminho que a Liga Portuguesa de Futebol Profissional parece seguir é a centralização da comercialização do torneio, evitando a disparidade financeira (hoje gira em torno de 15:1), e uma exposição menos desigual na mídia. O primeiro passo é uma mudança na legislação, forçando uma venda coletiva. Se pensar o Brasil, é um medida contrária a famigerada MP do Flamengo. Segundo João Paulo Rebelo, secretário do esporte de Portugal, para o Máquina do Esporte, “um modelo centralizado proporcionaria um campeonato muito mais competitivo, de acordo com o que acontece em toda a Europa”.

Enquanto isso por aqui...




Coluna do Professor #347, por Albio Melchioretto Coluna do Professor #347, por Albio Melchioretto Reviewed by Ribamar Xavier on 17.1.21 Rating: 5

2 comentários:

  1. E vale um destaque a uma parte citada no texto : "jogos no escuro".

    A RGT tem direito de transmissão dos jogos do Atlético Paranaense em tv aberta ou mesmo pela internet, faz uma birra danada com o ppv do clube mas não mostrou um jogo até agora (exceto 1 contra o Flamengo) na tv aberta ou mesmo no GE.COM.

    Ou seja, se existe esse "escuro" é por opção RGT.

    ResponderExcluir
  2. E vale um destaque a uma parte citada no texto : "jogos no escuro".

    A RGT tem direito de transmissão dos jogos do Atlético Paranaense em tv aberta ou mesmo pela internet, faz uma birra danada com o ppv do clube mas não mostrou um jogo até agora (exceto 1 contra o Flamengo) na tv aberta ou mesmo no GE.COM.

    Ou seja, se existe esse "escuro" é por opção RGT.

    ResponderExcluir

O que achou dessa informação? Compartilhe conosco!

Os comentários ofensivos serão apagados.

O teor dos comentários é de total responsabilidade dos leitores.

Tecnologia do Blogger.