Coluna do Professor #345, por Albio Melchioretto

(Getty Images/Reprodução)

 STREAMING É O FUTURO, MAS QUEM FARÁ O FUTURO ACONTECER?

Todos nós concordamos que o futuro das transmissões esportivas está no streaming. Ainda torço o nariz, mas reconheço a possibilidade. Evidente que este tipo de transmissão tem suas vantagens. Uma delas é a possibilidade de ver a competição em qualquer lugar geolocalizado permitido. Outra está no fato que tivemos um aumento significativo de competições transmitidas. Só na última semana acompanhei jogos finais do Catarinense Série B e Carioca Série B1. O futebol, dito alternativo, chegou em nossas telas. Além desta, algumas novas marcas surgiram, o DAZN, EI Plus e o Onefootball são duas de muitas. Podemos somar os canais virtuais das federações e as transmissões em mídias sociais (nariz torcido duas vezes para o Facebook Watch). O esporte, de maneira mais forte o futebol, em várias possibilidades, grande maior com um preço mais acessível que a televisão por assinatura. Mas quem pagará a conta? Será que todos sobreviverão?

Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@professoralbio
Os exemplos são perigosos, porque nos traem, entretanto, penso que o da telefonia móvel é oportuno. Quando da privatização, na segunda metade dos anos de 1990, inúmeras companhias surgiram. Além das 4 grandes, havia várias regionais. O discurso era da liberdade de escolha e acessibilidade. Vomitavam o discurso da livre concorrência para preços melhores. Passado trinta anos há três grandes players que dominam o mercado: TIM – Vivo – Claro. Nos últimos dias as três adquiriram a Oi Móvel. As pequenas desapareceram ou foram adquiridas pelos gigantes. Acredito que o mesmo acontecerá com os diversos serviços de streaming.

Agora quero deixar de lado um pouco o streaming em si, para pensar os grupos de comunicações. Na Europa cogita-se que a Mediapro devolverá os direitos da League One e League Two. Há alegação do grande prejuízo financeiro, muito pela crise estabelecida junto a pandemia, e outro tanto pelas projeções otimistas do início do século que não se concretizaram, soma-se os assinantes abaixo da meta. A Mediapro é dona do canal BeIn Sports e do futebolista Téléfoot, que se paga a bagatela de trinta euros para vê-lo. Em parte do mercado europeu, pelo Netflix. O investimento será descontinuado antes do encerramento do mercado. Já vimos isso aqui, como o fim dos canais lineares do Esporte Interativo e o esvaziamento do DAZN.

Aqui está o ponto. Diversas marcas, muitas novas e propostas alternativas. Até quando? Ou melhor, quem sobreviverá no mercado? Vemos várias marcas rompendo contratos e desistindo de competições. As mais relevantes se mantêm no mercado e propõe novos negócios, entretanto, as mais fragilizadas desaparecem. Não digo que a gigante dos direitos Mediapro é fragilizada, mas o modelo inflacionado de negócio que ela e outros propuseram e a tentativa de repasse para o consumir final é um modelo fragilizado. Quem marcas estarão no futuro das transmissões esportivas? Por essas aventuras de idas e vindas que a coluna não celebra algumas aventuras ao longo dos textos.

Coluna do Professor #345, por Albio Melchioretto Coluna do Professor #345, por Albio Melchioretto Reviewed by Ribamar Xavier on 20.12.20 Rating: 5

4 comentários:

  1. Pura verdade, mas acho muito bom. Ficamos com mais opções de escolha as empresas não podem cobrar os olhos da cara. Ainda há um serviço muto bom, o IPTV, achei nesse face: https://www.facebook.com/assistirtvskyflix , bem acessível e de qualidade. É o futuro chegando.

    ResponderExcluir
  2. São as vantagens e desvantagens do streaming. Me irrita o fato de o torcedor que gosta muito de futebol e que é avesso a adquirir produtos piratas ter que gastar muito dinheiro e perder muito tempo em procura, pois o serviço está cada vez mais pulverizado: DAZN, EI Plus, Watch ESPN, Globoplay, Conmebol TV, Premiere Play, etc. E obviamente os delays gigantes como do Premiere precisam ser corrigidos.

    Por outro lado é muito bom saber que posso acompanhar a modalidade feminina ou sub 20 o meu time através de sites como Mycujoo ou YouTube, e agora até mesmo na TV aberta. Ou acompanhar o campeonato alemão e francês pelo OF.

    Vamos aguardar p ver o desenrolar desse processo.

    ResponderExcluir
  3. Correção: a Mediapro não é dona da BeIN sports. Quem é o dono do canal é a Qatar Sports Investments. O que ocorre é que a mediapro recebe da Qatar Sports Inv. para operar o beIN sports francês, assim como o americano. Na Espanha também era assim, mas a Qatar Sports Inv. parou de investir lá. Porém a MediaPro continua operando a LaLigaTV BAR, transmissões na movistar LaLiga, Gol TV e ano que vem a Movistar F1. Isso não quer dizer que ela é dona dos canais da LaLiga e movistar, mas sim que recebe da LaLiga e da movistar para operacionalizar os canais. Duas coisas bem distintas.

    Até pq nem faria sentido a mediapro ser dona da beIN francesa e msm assim criar um novo canal para transmitir a Ligue 1, sendo que a beIN transmitia antes. Enfim... pensar um pouco custa nada. E lembrar que telefoot é um marca da TF1 (grande rede de tv francesa) que foi licenciado para mediapro.

    ResponderExcluir

O que achou dessa informação? Compartilhe conosco!

Os comentários ofensivos serão apagados.

O teor dos comentários é de total responsabilidade dos leitores.

Tecnologia do Blogger.