Ficar sem TV seria golpe duro para a F1 no Brasil, opina Reginaldo Leme

(Reprodução)
O Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 deste ano foi cancelado por conta da pandemia do coronavírus. Enquanto isso, a categoria ainda não tem acordo para permanecer na TV aberta em 2021. Questionado a respeito pelo UOL Esporte, o ex-comentarista da Globo, Reginaldo Leme, entende que a perda das transmissões seria o golpe mais duro para o futuro da Fórmula 1 no país.

"Seria "o [golpe] mais duro de todos. Não ter GP não seria fundamental para o brasileiro continuar acompanhando a Fórmula 1. O brasileiro se tornou um fanático por Fórmula 1. Eu fico até satisfeito de falar que isso deve muito ao trabalho que eu e o Galvão [Bueno] fizemos lá atrás", pontuou.

As negociações tanto para a renovação do contrato do GP Brasil, quanto dos direitos de TV, estão em curso há meses. A Liberty Media, empresa que detém os direitos comerciais da F1, tem todo interesse em continuar no país, que representa quase 20% da audiência mundial da categoria, além de ser um mercado muito importante para várias empresas ligadas ao esporte, como Pirelli, Renault e Heineken.

Em relação aos direitos, tanto a Globo, quanto outras emissoras, refutaram as propostas iniciais, forçando a diminuição do valor ofertado. A situação é aberta no momento, e nem a Globo descarta renovar o contrato, sob termos mais favoráveis financeiramente. Mas um ponto importante para a Liberty Media é lançar, no país, seu serviço de streaming, que não está disponível devido ao atual acordo com a Globo.




Ficar sem TV seria golpe duro para a F1 no Brasil, opina Reginaldo Leme Ficar sem TV seria golpe duro para a F1 no Brasil, opina Reginaldo Leme Reviewed by Ribamar Xavier on 27.7.20 Rating: 5

Um comentário:

O que achou dessa informação? Compartilhe conosco!

Os comentários ofensivos serão apagados.

O teor dos comentários é de total responsabilidade dos leitores.

Tecnologia do Blogger.