(Foto: Divulgação/Athletico)
O presidente do Athletico, Mario Celso Petraglia, comemora a edição da Medida Provisória 984/2020, que alterou a regra dos direitos de arena em eventos esportivos brasileiros. Em entrevista ao TribunaPR, o dirigente acredita que a mudança será positiva para trazer novos nomes para o mercado, ajudando os times a captarem mais recursos com a venda com esse ativo.

Petraglia, no entanto, fala que é preciso aperfeiçoar a norma antes de ela se tornar uma lei propriamente dita. Atualmente, há um projeto de lei que trata do assunto no Congresso – a MP tem validade de até 120 dias.

A preocupação dele é de que, no futuro, as vendas de direitos de transmissão sejam feitas em bloco, como nos principais campeonatos europeus, para fortalecer o conjunto, não apenas poucas equipes.

“E tem uma divisão mais justa para crescer o campeonato como um todo. De que adianta o Flamengo ser campeão todos os anos? Se não houver uma melhoria da competitividade do campeonato perde a graça”, completou.

Sobre o Flamengo, aliás, o dirigente elogiou o presidente Rodolfo Landim, quem ele acredita que deva liderar o processo de criação de uma liga de clubes no país.

Petraglia também falou sobre o acordo da Globo com os clubes. “Temos só uma proposta assinada com a Globo. Os contratos verdadeiros nunca foram assinados com todas as cláusulas. Quando os clubes assinaram com a Globo, assinaram como se fosse uma carta de intenções com N cláusulas, se comprometendo a assinar depois o contrato. Esse contrato nunca foi assinado. A bronca do Flamengo é essa. O Flamengo foi pra Justiça porque o entendimento da carta da intenção é uma e o entendimento da Globo é o contrato, que nunca foi assinado”, disse.