Coluna do Professor #279, por Albio Melchioretto

(Foto: Pixabay)
SERÁ QUE TEREMOS UM 2020 OU 2019 PLUS?

A coluna desta semana perpassa por temas, mas, no fundo, deseja questionar os paradigmas que norteiam algumas ações da mídia esportiva. Comecei a acompanhar, de maneira mais intensa, a mídia esportiva em 2004, com o blog Papo de Bola, do gaúcho Edu César. Na época buscava encontrar um site com programação completa de eventos esportivos, e encontrei um espaço de notícias do esporte e variadas da televisão. Como o trabalho do Edu sempre foi impecável, comecei a acompanhar seus escritos diariamente. Entre suas pausas e seus comentários, encontrei na rede, o Esporte e Mídia, que abriu as portas para contribuir (ou não) semanalmente.

Apresento também esta lembrança para apontar que o site Papo de Bola, retornou ao ar na sexta-feira, 24, com novos textos. Que Edu César tenha uma boa caminhada em sua nova fase. Carecemos de veículos como estes dois, que falem da mídia, que divulguem, que pensem a história do momento-presente. Não é apenas ver esportes, mas conhecer um pouco, uma ínfima parte daquilo que cerca uma paixão do brasileiro. Ver o não dito e questionar o não feito.

Sobre o que não se fala, corre-se o sério risco de naturalizar. Parece-me que a cobertura esportiva brasileira está sempre dividida entre o bem e o mal. Vide como são tratadas as notícias de renovação de contratos, caso mais específico do Flamengo agora. Veículos que falam da mídia esportiva, possuem uma função social diante dos fatos. Questionar o óbvio, tecer críticas, apontar caminhos. Deixar de ser uma água com açúcar que muitas vezes bebemos inocentemente. Que falta faz uma mídia investigativa profunda, que encontre eventos e torna-os público.

Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@professoralbio
Quanto a isso, a imprensa inglesa nos traz lições mais valiosas. Acompanho alguns veículos como o The Sun; The Guardian e o The Daily Telegraph. As análises que eles se propõe a fazer, como o caso David Luis, após o pênalti contra o Chelsea, são por vezes cruéis, mas vão aos números, apontam erros, são mais intensos na análise., ou melhor, mais ácidos. Mas, o lado da água com ácido provocam mais reflexões e pensamentos que nosso açúcar. Por aqui, nos autocolonizamos com tamanha futilidade midiática.

Se o leitor persistiu na leitura até o final, pode-se perguntar o que motivou esta reflexão. Digo isto, por conta de uma notícia linda na Isto É, “em 2019, foram registrados 208 ataques a veículos de comunicação e a jornalistas, um aumento de 54,07% em relação ao ano anterior, quando foram registradas 135 ocorrências, de acordo com o relatório Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil, divulgado nesta quinta-feira (16) pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj)”. Notícia própria numa semana onde o MPF ignora STF e provoca uma atentado a liberdade de imprensa.

Vivemos no Brasil, uma combinação perigosa, que são os ataques à imprensa; uma tentativa insana de desqualifica-la por parte do governo; o descrédito gerado por fake news e no outro lado o aumento de uma imprensa superficial, pensar 2020 ainda me parece um projeto distante.





Coluna do Professor #279, por Albio Melchioretto Coluna do Professor #279, por Albio Melchioretto Reviewed by Ribamar Xavier on 26.1.20 Rating: 5

4 comentários:

  1. mi mi mi mi mi mi mi
    snif snif snif snif snif
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Outro defensor do escroto daquele americano safado,liberdade de imprensa atacando só um lado,o de quem denuncia os roubos do dinheiro do cidadão brasileiro!

    ResponderExcluir
  3. Verdade, roubos do dinheiro do cidadão brasileiro inundando Cuba e outros cumpanheiros. Fim da midia mortadela.

    ResponderExcluir

O que achou dessa informação? Compartilhe conosco!

Os comentários ofensivos serão apagados.

O teor dos comentários é de total responsabilidade dos leitores.

Tecnologia do Blogger.