Coluna do Professor #243, por Albio Melchioretto


POR QUE NOSSOS ESTÁDIOS NÃO APRESENTAM O CONFORTO DE UM CINEMA?

A fase de oitavas de final da Copa do Brasil marcou a estreia da competição no sistema pay-per-view (PPV). Por ora nenhum jogo exclusivo do sistema. Existe a promessa de Sampaio Correia versus Palmeiras estar exclusivo do PPV. Claro que isso é uma disputa comercial entre a detentora dos direitos e alguns clubes partícipes. Mas, seria interessante se este expediente acontecesse deste a primeira fase da Copa. Mostrar vários jogos no sistema privilegiando confrontos que hoje acontecem apenas via rádios. Seria um passo interessante para a profissionalização do nosso futebol. Este é o tema que a coluna de hoje deseja explorar.

A profissionalização passa necessariamente pela transformação de clubes em empresas. Acredito que esta transformação não afetará a paixão do torcedor. O que afeta o futebol, de fato, são administrações pautadas pela paixão superior a uma razão instrumental. Alguns exemplos pelo Brasil perambula em divisões inferiores. O “novo” RedBull Bragantino na Série B, a Ferroviária de Araraquara, Ituano e Tubarão na Série D. O time de Santa Catarina funciona com uma lógica de startup ligada a uma universidade. Chego nestes por causa do Brusque Futebol Clube que nos últimos dias teve anunciado as imagens da Arena Havan que será construída na cidade. A administração do time passará por um grupo especializado em gestão, que junto ao novo estádio terá como meta chegar na Série B do Brasileiro num espaço de dez anos. Salvaguardando a péssima tendência estética do grupo Havan, que faz paradoxo com um discurso alienado em camisas verde- amarelas da empresa, a iniciativa merece certo crédito. Porém, há de se considerar uma perspectiva de profissionalização na gestão do futebol. Não há como fazer futebol com paixão de torcedor. Esta paixão contamina o desenvolvimento do esporte e nos deixa cada vez mais distante do futebol organizado do mundo europeu. A lógica do projeto de domínio Havan, está no estádio e passa pela estrutura administrativa do clube.

Colunista cita construção da Arena Havan para cobrar maior conforto nos estádios (Foto: Reprodução)
Na contrapartida destas iniciativas temos algumas aberrações. Uma delas é o contrato individual dos clubes da principal divisão com a televisão. Chegamos a mais uma rodada com dois clubes fora do PPV e um deles fora da televisão aberta. Não há como conceber isto como vetor de normalidade. As competições mais rentáveis do mundo da bola são vendidas em conjunto. Valorizar o produto e não apenas o participante individualmente. Outro exemplo aberrante foi a notícia da venda do clube Força e Luz, do Rio Grande do Norte. Em contato com o clube não houve confirmação, como também, negação da notícia. Há rumores, que após a queda do estadual o clube foi vendido para um empresário que ofertou uma “casa de praia” no negócio. No mínimo folclórica a negociação e longe de uma perspectiva de gestão do clube, mas como aventura de fazer futebol.

Pensar o futebol a partir de práticas eficientes de gestão podem apontar uma saída ao futebol brasileiro. Quando falo em saída, penso que ele está preso. Uma seleção com jogadores atuando predominantemente no futebol europeu; perdemos jogadores para mercados secundários, como o Chinês e para o “mundo árabe”; dificuldade para vender a competição para canais internacionais; futebol de qualidade duvidosa e poucos treinadores brasileiros nas principais ligas europeias. São apenas alguns exemplos para dizer que precisamos de uma saída. Esta necessidade me faz ponderar três possibilidades.

A primeira delas, pensar o profissionalismo na gestão. Os clubes citados da Série D pensam o futebol como uma estrutura de negócios e com metas. Mas para chegar a este dispositivo precisamos nos livrar do caráter de associação dos times; da relação promíscua com as federações; com as ditaduras presidenciais nos times. Trabalhar com capital aberto e com profissionais nas áreas que se fazem necessárias para o futebol, não digo apenas o business, mas toda uma estrutura. O segundo ponto a superação dos interesses pessoais. O direito de arena no Brasil não foi a votação, como alteração na Lei Pelé, por conta do jogo de interesses de um determinado deputado com uma relação, no mínimo duvidosa, com um canal de televisão. E o terceiro ponto necessitamos de uma metodologia para pensar o futebol. Sugiro a Teoria do caos – sem trocadilhos.

Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@professoralbio
Não quero usar a Teoria do Caos para afirmar que a queda de um apito no jogo amistoso entre Guarani de Caxambu versus Unidos do Fernando de Noronha promoverão o fim do futebol. A escolha da RedeTV! na única tentativa democrática para vender os direitos de imagem do Brasileirão de 2011, tem relação direta com os jogos não mostrados na televisão aberta e PPV em 2019. Mas afirmar que a simples profissionalização da gestão do futebol nos clubes poderá reterritorializar o Brasil novamente como o país do futebol. A reconstrução é um processo sistêmico. Se há uma gestão no clube, ela trabalhará com métricas pensando sua participação. Isto afetará o tratamento com os atletas, ofertando dignidade humana e formação intelectual; passará pelo cuidado das competições e o respeito com o torcedor.

E por falar em nós, insistentes torcedores, perguntar não ofende, por que nossos estádios não apresentam o conforto de um cinema?



Curta nossa página no FACEBOOK.
Siga o Esporteemidia.com no TWITTER.
Nos acompanhe no INSTAGRAM.



Coluna do Professor #243, por Albio Melchioretto Coluna do Professor #243, por Albio Melchioretto Reviewed by Ribamar Xavier on domingo, maio 19, 2019 Rating: 5

7 comentários:

  1. Você faz bons textos, alguns com boas ideias e que podem gerar bons debates, mas para de misturar sua opinião política com assunto que está querendo abordar. Quando você mistura, igual fez falando do Luciano Hang e a opinião política dele, você tirou toda a credibilidade que seu texto possuía. Invés de olharmos como opinião sobre um assunto interessante, passou a virar birra por motivos idiotas, que não possuem nenhuma relação com o assunto que você abordou.
    Qual necessidade disto: "Salvaguardando a péssima tendência estética do grupo Havan, que faz paradoxo com um discurso alienado em camisas verde- amarelas da empresa, a iniciativa merece certo crédito"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre tem uma ALIENAÇÃO nos textos dele. Só pq gosta de vestir camisa vermelha Nove Dedos Livre.

      Excluir
    2. Acabei de ver o twitter do cidadão, só ódio e calúnia, um tipico ALIENADO.

      Excluir
    3. Pois é, militante mortadela de carteirinha. O cara tem o direito de escolha dele, agora misturar uma coisa com outra nada a ver, só coisa de militonto vermelho mesmo. kkkkkk

      Excluir
  2. "Salvaguardando a péssima tendência estética do grupo Havan, que faz paradoxo com um discurso alienado em camisas verde- amarelas da empresa, a iniciativa merece certo crédito". Parei aí, se a fachada do estádio fosse uma estátua do Karl Marx, Lenin, Stalin, Che Guevara e o nome fosse Arena Lula com dinheiro público voce iria gostar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, e ao invés das cores da bandeira brasileira (verde e amarelo), e como é citado cinema na matéria, deveriam usar uma camisa vermelha escrita Libertem meu maior bandido de Curitiba.

      Excluir
  3. Só sei que o hang tem muitos adEvogados ...
    Concordo com o texto: a estética das lojas Havan é tosca.
    A propósito, quando a Havan passou a patrocinar o futebol, anos atrás, teve gente dizendo que a loja era de algum familiar do Lula e que o nome era referência a Havana ... 😂😂😂

    ResponderExcluir

O que achou dessa informação? Compartilhe conosco!

Os comentários ofensivos serão apagados.

O teor dos comentários é de total responsabilidade dos leitores.

Tecnologia do Blogger.