Coluna do Professor #223, por Albio Melchioretto


ESCONDE, ESCONDE

A última coluna do ano, tem intenção de levantar várias ideias, deixá-las soltas, sem amarrar as pontas, apenas questionar e deixar a conclusão com você, nobre leitor.

Quero listar algumas competições de futebol que já foram mostradas pelas televisões do Brasil, abertas ou fechadas e hoje já não mais desfilam pelas nossas telas.

Colunista sente falta de mais de duas dezenas de competições na TV (Reprodução)
Campeonato Belga
Campeonato Colombiano
Campeonato Escocês
Campeonato Espanhol Série B
Campeonato Francês
Campeonato Italiano
Campeonato Italiano Série B
Campeonato Japonês
Campeonato Russo
Campeonato Turco
Campeonato Ucraniano
Campeonato Uruguaio
Concachampions (fase de grupos)
Copa da Argentina
Copa da França
Copa da Itália
Copa da Liga Francesa
Copa da Rússia
Copa da Turquia
Copa das Nações Africanas
Copa del Rey
Copa México
Copa Sul-americana
Supercopas
Superliga da Índia
Taça de Portugal
United Soccer League - USL
US Cup

Há também os muitos estaduais que foram mostrados pelo Esporte Interativo e agora não sabemos como ficarão, se é que ficarão.

Muitos da lista estão em streaming, mas foco da coluna está nas transmissões em mídia televisiva linear.

A primeira transmissão esportiva no Brasil, foi em 15 de outubro de 1950, em Palmeiras 2x0 São Paulo, no Pacaembu mostrado pela TV Tupi. Futebol na televisão vem meses após a implantação do primeiro canal de televisão, futebol e televisão caminham juntos no Brasil. A lista acima, são de torneios que na última década, em algum momento ou vários, foram mostrados e desapareceram das telas. Alguns destes são mostrados em aplicativos ou mídias sociais, como já mencionei. Perdemos diversas janelas de exibição na televisão linear.

Será uma questão de modelo de negociação? Ligas, empresas ou federações? Poderia ser uma discussão para pensar o que está dado. Algo me agrada muito que é o modelo NBA de vender direitos. Ou a lógica que teremos com a próxima Libertadores, um modelo de venda fragmentado, como também é hoje o NBB e competições afins, porém, esse modelo, a moda Sul-americana trata a mídia virtual com paridade a mídia televisa, isso não caberia. A NBA pensa diferente.

Na Argentina, em 2009, discutiu-se a Ley de Medios, onde o governo de Cristina Kirchner propôs uma quebra, entre outros, do monopólio midiático por parte do grupo Clarín. Onde quero chegar com isso? Se tivermos apenas negociações livres, do preço e mercado, teremos cada vez mais o sumiço de competições da televisão e uma migração para plataformas digitais a preços cada vez maiores. Vide o que se paga por uma Seria A League Pass. Este processo, de virtualização dos direitos, tornará mais caro para o espectador acompanhar o futebol no Brasil e mundo afora. Com erros e acertos, a Ley de Medios da Argentina e o modelo NBA, tornam democrático o acesso ao futebol.

Albio Melchioretto
albio.melchioretto@gmail.com
@amelchioretto
Ao pensar o modelo NBA é importante observar não apenas um modelo que faz a gestão dos direitos televisivos, mas pensar também o espetáculo, o equilibro entre os partícipes e uma gestão saudável entre eles, a introdução de novos jogadores, o entorno da bola. Mas daquela lista toda que especulo no início da coluna, qual política pensa a competição como um show e a televisão como parceiro? O que temos são apenas “brigas de cachorro grande” e nós, pobres mortais que penamos para o acesso democrático aos jogos de futebol. Mais do que mostrar, como mostrar e o acesso democrático. Infelizmente isso tudo é um debate interditado na mídia brasileira, como um todo. Algumas coisas em meios acadêmicos, mas muito pouco.

A você leitor, a coluna deseja um 2019 repleto de conquistas!

Curta nossa página no FACEBOOK.
Siga o Esporteemidia.com no TWITTER.
Nos acompanhe no GOOGLE+.



Coluna do Professor #223, por Albio Melchioretto Coluna do Professor #223, por Albio Melchioretto Reviewed by Ribamar Xavier on domingo, dezembro 30, 2018 Rating: 5

14 comentários:

  1. Pagamos tão caro por um pacote com todos os canais de esportes, com tantos campeonatos a serem vistos e o que temos? Só programas de debates cada vez mais suteis, só para encher linguiça! Lamentável o que temos!!

    ResponderExcluir
  2. Aqui no Brasil, o grande exemplo a ser seguido é o NBB. Tirando o Sportv que transmitiu a temporada passada e não quis a desse ano pq queria exclusividade como sempre, todos os canais esportivos de tv paga estão transmitindo a competição : Fox Sports, ESPN, Bandsports. Fora isso, a Band transmite em tv aberta (a Globo mostrou as finais em anos anteriores) e o próprio NBB transmite os demais jogos através do seu site, facebook, youtube e twitter.

    ResponderExcluir
  3. Esses serviços de streaming deverão abaixar os preços ou não terão clientes. Entre pagar para assistir o time no Premiere e assinar uma Champions, Série A, La Liga ou PL, a maioria optarão pela competição do clube do coração.
    Penso que serviços que conseguirem unir mais conteúdo a preços mais justos levarão mais vantagens e nisso a Globosat tem vantagem, pode oferecer o conteúdo de seus canais, Brasileirão A e B, Libertadores e a Copa do Brasil. Basta ela liberar o acesso apenas via streaming.
    Estou curioso para saber o preço da DAZN e como será o sistema, com mais de uma conta por assinatura e por aí vai.

    ResponderExcluir
  4. Nessa mudança de streamings a TV por assinatura sofrerá grandes mudanças também. Acredito que passarão a vender apenas os canais ou segmentos, pois o custo de assinatura do atual formato é alto e só leva mais pessoas a irem para os streamings.

    ResponderExcluir
  5. Entre pagar Première e pagar por todo o conteúdo do ESPN eu escolho o segundo. Só tô chateado pq a La Liga deles parece que só existe o enfraquecido Real Madrid. Jogos do Barcelona agora parecem ser exclusivos do maldito Fox Premium.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade os dois canais revezam. Uma rodada a espn transmite o real e a fox premium transmite o Barça. Na outra inverte. E assimpor fiante

      Excluir
    2. Negativo. Fique de olho no que está acontecendo esse ano e veja que a ESPN praticamente só passa Real Madrid. A proporção deve ser aproximadamente 1 Barcelona pra 4 jogos do Real Madrid.

      Excluir
  6. A transmissão da UCL esse ano tb está lamentável, o melhor jogo da rodada sempre vai pra internet, sendo que a transmissão porca fica travando. Ouvi dizer que é por causa da alta demanda, então, se não tem capacidade técnica pra mostrar o principal jogo, que coloquem jogos menores pra lá. Simples.

    ResponderExcluir
  7. Aproveito tb pra fazer um elogio a transmissão de ontem (Juventus x Sampdoria) da Dazn. Vi pelo YouTube, imagem muito boa, nenhuma travada, até parecia tv. O narrador era atrapalhado, mas gostei do restante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A qualidade de audio e imagem é excelente, o que arrebentou nas primeiras partidas foi a equipe de transmissão, mas já arrumaram um outro narrador pra fazer as partidas e já melhorou muito a transmissão.

      Excluir
  8. É fato que dá pra melhorar muito as transmissões (tanto tv quanto internet. Só resta saber se haverá interesse dos empresários, por agora tá todo mundo escondendo/dificultando tudo e tá uma merda. Parabéns aos envolvidos.

    ResponderExcluir
  9. Isso mostra o quanto as TV's esportivas tem gerido muito mal seus recursos. Isso somado com os altos pedidos dos detentores universais de direitos de várias competições. Ainda há uma ou outra que tem sua aquisição garantida no Brasil mas, por vontade da emissora, tem seus jogos exibidos apenas na Internet (como Belga e Escocês - aliás, queria ter visto Rangers 1x0 Celtic)....

    A tendência é piorar. Canal de esporte que mal transmite esporte é um contrassenso da porra.

    ResponderExcluir
  10. Faltou citar Copa da Inglaterra , Copa Verde , Série C e D.

    ResponderExcluir

O que achou dessa informação? Compartilhe conosco!

Os comentários ofensivos serão apagados.

O teor dos comentários é de total responsabilidade dos leitores.

Tecnologia do Blogger.