Micoflix ou Futuroflix?, por Alipio Jr Coluna #139

Colunista comenta a proposta e a situação da Sportflix sem os direitos de transmissão (Reprodução)
Netflix como empresa existe há 20 anos. Começou como um serviço de entrega de DVD´s pelo correio e em 2007 começou como um serviço de streaming nos EUA e em 2010, chegou ao Canadá. Hoje é um serviço amplamente difundido e dezenas de lares estão vendo mais filmes e mais séries por causa disso, dada a facilidade de chegar em casa e começar a ver na hora que bem entender e em qualquer dispositivo com acesso a internet. Mesmo com essa fama toda, a Netflix ainda sofreu (e sofre) para fazer acordo com alguns canais que não querem ceder seus programas tão fácil assim.

O Sportflix, chamado oportunamente de “Netflix do esporte” veio com a promessa de fazer algo similar. Segundo o material de divulgação, o serviço faria uma espécie de espelhamento, retransmitindo o evento esportivo desejado sem as muitas propagandas que cada um desses possui. Ou seja, só a parte boa do negócio.

Seu idealizador, Matias Said, disse que pegaria o sinal da TV que está transmitindo o evento e dependendo do valor que o assinante pagar, ainda poderia dividir um determinado número de telas com cada evento. O mosaico nunca foi tão útil assim. O problema é que ele esqueceu de uma coisinha boba: A autorização de cada dono de evento.

Alipio Jr.
@alipioj
Estamos cansados de ver a novela que é negociar direitos de transmissão e as quantias monstruosas que são pagas pelas emissoras para ter a exclusividade deste ou daquele campeonato, ou se recusando a ceder esses direitos para a emissora concorrente ou cobrando um valor considerável para fazê-lo. Sem falar que todo canal esportivo possui seu próprio serviço on demand atrelado a operadora de tv por assinatura, para dar exclusividade ao assinante que paga bem caro por isso. O Sr. Said não vai ter vida fácil.

O lançamento foi adiado e a home page do Sportflix (com direito a foto do Neymar) informa que antes de começar a operar vão “percorrer os processos necessários”; trocando em miúdos significa recorrer das várias ações judiciais impetradas contra a empresa e principalmente demonstrar que a comparação com a Netflix precisa ir além de transmissão em streaming.

Abraços e até a próxima.

Curta nossa página no FACEBOOK.
Siga o Esporteemidia.com no TWITTER.
Nos acompanhe no GOOGLE+.



Micoflix ou Futuroflix?, por Alipio Jr Coluna #139 Micoflix ou Futuroflix?, por Alipio Jr Coluna #139 Reviewed by Ribamar Xavier on 10.9.17 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.