Header Ads

Federação impede realização de Atletiba que seria mostrado pelo YouTube

Jogadores de Atlético/PR e Coritiba se despedem da torcida. Não houve jogo (Reprodução)
O clássico entre Atlético/PR e Coritiba, marcado para as 17h00 (de Brasília) deste domingo (19), teve seu início impedido pela Federação Paranaense de Futebol (FPF). As informações são do UOL Esporte, por Adriano Wilkson, alegando problemas de credenciamento, a entidade se opôs à transmissão do jogo de forma independente e exclusivamente online pelos canais dos clubes no YouTube. Os clubes se negaram a jogar sem a transmissão e a partida não aconteceu.

SAIBA MAIS
Com narrador, comentarista e repórteres, Atletiba vai ter transmissão no YouTube
Globo ofereceu R$ 2 mi a dupla Atletiba pelos direitos do Paranaense 2017
Motivo do veto ao Atletiba seria o 'padrão Esporte Interativo' de transmissão; entenda
Quarto árbitro diz que Atletiba não podia começar com transmissão pela internet
Com credenciamento, Atletiba pode ser mostrado na Internet, diz Federação
Globo diz que não teve interferência na não realização do Atletiba
Comentarista da ESPN bate boca ao vivo com presidente da Federação Paranaense
Atletiba e torcedores criticam Globo e Federação por não realização de clássico

Jogadores dos dois times entraram em campo de mãos dadas para se despedir da torcida e voltaram ao vestiário logo depois. A torcida na Arena Baixada gritou "vergonha" e protestou contra a FPF e a Globo.

"Fica o alerta para que os outros clubes sigam o exemplo de Atlético e Coritiba", disse o presidente do Atlético/PR, Luiz Sallim Emed. "Vamos dizer não. É uma palavra simples. Muitas vezes é isso que a gente tem que fazer: romper com essas coisas. Vamos romper com o status quo".

Em seu Twitter oficial, o Coritiba falou sobre o impasse. "Funcionários da Federação Paranaense de Futebol solicitam que a arbitragem não permita início do jogo. Motivo: a FPF não permite transmissão do jogo pelos canais de Coritiba e Atlético. A federação pede que o jogo não comece enquanto houver a transmissão online".

O diretor executivo de marketing do Atlético/PR, Mauro Holzmann, se revoltou com a decisão e disse que o jogo não aconteceria sem a transmissão pela internet.

"Atlético/PR e Coritiba não venderam seus direitos [para a TV] por causa dessa merreca que a RPC e a Globo nos ofereceram. E a Federação Paranaense de Futebol não quer dar continuidade à partida enquanto a imprensa estiver aqui. Temos uma produtora independente aqui. Não temos que acabar com a transmissão", disse ele ao canal do Atlético no YouTube.

"A federação, de forma arbitrária, quer que tiremos nossa produtora independente. Nós não vendemos o jogo para ninguém, só não aceitamos o que a Federação Paranaense quer fazer. A federação diz que não vai ter o jogo enquanto a transmissão dos canais oficiais não for tirada do ar. Então não vai ter o jogo", completou.

O vice-presidente do Coritiba, José Fernando Macedo, também se revoltou com a situação.

"A federação mandou uma ordem para a equipe de arbitragem de que não pode ser feita a transmissão porque existe um contrato com a Rede Globo. O Coritiba e o Atlético se sentem no direito de fazer a transmissão pelo YouTube. Os dois times não vão abrir mão de jogar essa partida [com a transmissão online]", afirmou.

Em contato com o UOL Esporte, Hélio Cury, o presidente da federação paranaense, disse que não haveria jogo enquanto os profissionais não saíssem de dentro de campo. Segundo ele, o credenciamento dos profissionais deveria ter sido feito 48 horas antes da partida, o que não teria acontecido.

"Enquanto os profissionais não credenciados estiverem dentro do campo não vai haver jogo", disse ele. "Deveria ser feito um credenciamento 48 horas antes da partida. O nosso posicionamento está bem claro: está proibido".

Os clubes disseram ter sugerido que os profissionais que transmitem o jogo de dentro do campo poderiam ir para as arquibancadas. Questionado sobre isso, Cury disse que não poderia fazer nada para impedir o jogo nesse caso.

"A federação só cuida do que acontece dentro do campo, fora nós não temos nada a ver com isso. Se eles tirarem tudo do campo e colocarem na arquibancada não podemos fazer nada.

Diante do impasse, Cury afirmou que uma entrevista coletiva de imprensa deve ser marcada para segunda-feira para tratar do tema. "Vamos analisar com o nosso jurídico quais serão as consequências jurídicas disso".

ATUALIZAÇÃO: Segundo o ESPN.com.br, a entidade encaminhou ordem para a equipe de arbitragem não dar o pontapé inicial enquanto as câmeras estivessem em campo. Segundo a entidade, o contrato com a Globo veta isso. Pela lei brasileira, o direito de imagem da partida pertence aos clubes. Nenhum regulamento de federação pode se sobrepor a ele.

Curta nossa página no Facebook.
Siga o Esporteemidia.com no Twitter.
Nos acompanhe no Google+.