Header Ads

Coluna 'Quinta, categoria!', por Carlos Salvador #2

Colunista comenta as transmissões de Esporte Interativo e ESPN no Super Bowl LI (Jamie Squire/Getty Images)
Vocês foram Ridículos!

O maior evento esportivo de esportes americanos e quarto maior do mundo aconteceu neste domingo em Houston, Texas. No Brasil, tivemos o privilégio de escolher assistir em TV Aberta ou TV fechada, via Esporte Interativo e ESPN. Duas transmissões fantásticas, dignas da dimensão gigantesca no evento.

Pelo canal da Turner, tivemos uma agradável surpresa na escala para transmissão do jogo: Octavio Neto foi quem comandou o show em TV aberta. Com seu estilo de narração empolgante, com bordões da cultura nerd, e até tiradas sarcásticas, Neto mostrou-se uma grande aposta para eventos desse calibre para a emissora. Quem já conhece mais a fundo seu trabalho sabe que suas citações históricas corretas, sua pronuncia perfeita e o jeito leve de levar ao público todas as emoções da partida, o tornarão cada vez mais completo para transmissão de esportes americanos. Nos últimos 3 anos, a partida teve 3 narradores diferentes no Ei. Em 2015 André Henning deu show, em 2016 Luis Felipe Freitas esteve in loco, e em 2017 Octavio Neto comandou a transmissão. Isso mostra não que o Ei pensa em rodízio, mas que há uma estratégia de desenvolver narradores dos esportes americano, e também olímpicos, de forma que seus principais narradores fiquem mais focados no futebol e na apresentação dos programas da emissora. O detalhe desnecessário da transmissão foi a pseudopolêmica sobre a citação de Octavio Neto com a cantora Anitta. Quem conhece e assiste as narrações de Neto, sabe que sua marca é a irreverência e que citações com artistas são comuns.

Carlos Salvador
fb.com/carlosaugusto.salvador
@calosalvador
Não há nada de polêmica, não há e não houve menosprezo. Vale menção (e grande menção) para o crescimento da audiência do SuperBowl nas transmissões do Ei em TV aberta. Estima-se que esta edição tenha atingido aproximadamente 1,4 milhão de pessoas assistindo a transmissão pelo canal da Turner.

Está crescendo, está bonito, mas cuidado. Logo, logo tem nova licitação de direitos de transmissão e “Dona Plim Plim” deve crescer os olhos para ter a NFL. Não para transmitir, mas só para tirar o gostinho da concorrente ter o evento, e poder tê-lo guardadinho lá na “gaveta de eventos”, e quem sabe transmitir numa madrugada de terça para quarta em VT de 20 minutos...

Já na TV fechada, a ESPN transmitiu o evento direto de seus estúdios em São Paulo, pela primeira vez em alguns anos. Algo estranho, porque a ESPN em tempos fartos sempre prezou por transmissão in loco de grandes eventos, desde a findada Champions League, quanto NBA ou NFL. Algo que a crise econômica do país, não mais permite com tanta facilidade.

Quanto a equipe, e principalmente a narração, Everaldo Marques ancorou com a competência e talento de sempre. Não faltou emoção, especulação, gritos e elegância no melhor narrador de esportes americanos da TV Brasileira. Difícil foi ouvir umas 200 vezes Paulo Antunes pronunciar “Tããm Breidi”. Por mais que possa ser uma pronuncia correta entre os americanos, é difícil ouvir e entende alguém mudar de “Tom” para “Tããm”, mas perdoamos o brasileiro que cresceu em Sarasota, afinal ele é muito melhor comentando NFL do que fazendo novela no SBT. (https://www.youtube.com/watch?v=dAWQPAfMu1g)

Mas voltando ao narrador, tivemos uma nova e desnecessária pseudopolêmica. Ao fim do show de Lady Gaga, Everaldo Marques emendou um “..você é ridícula”. Pronto. Foi a senha para fãs da cantora, ávidos por sentimentos revanchistas vestirem a super capa de “valente de rede social” e sentarem a lenha sem dó nem piedade no narrador. Por favor, isso sim foi ridículo (no sentido horrível da palavra). Se você não acompanha ou nunca viu uma narração de Everaldo Marques, não critique sem entender seus momentos de elogios ou ironias favoráveis a grandes astros do esporte, e neste caso da música. Stephen Curry já foi ridículo, Messi já foi ridículo, Phelps já foi ridículo. Se o fã da cantora não sabe quem são esses, por favor, procure assistir Multishow e não ESPN. Se continuarmos nesse sentido, Romulo Mendonça que se cuide. Em breve haverá defensores de alguns grupos feministas que exijam explicações por citações como “lambisgóia”, “macho alfa”, etc..

O show, a propósito foi fantástico! Digno de um SuperBowl e de uma cantora conhecida por suas surpreendentes performances. Foi realmente RIDICULO!

Curta nossa página no Facebook.
Siga o Esporteemidia.com no Twitter.
Nos acompanhe no Google+.