Header Ads

Coluna 'Quinta, categoria!', por Carlos Salvador #3

Colunista comenta sobre campeonatos esquecidos na TV como o Escocês (Reprodução)
Forgetful League

Com o boom das Tv’s por assinatura na última década, o número de assinantes de TV fechada quadruplicou em 10 anos, passando de 4,7 milhões em 2006 para 18,1 milhões em 2016. Com isso aumentou-se a quantidade de canais, programas ofertados e eventos transmitidos. Muitos com qualidade, outros nem tanto, e outros só para preencher grade. E é esse último quesito que vamos um pouco mais a fundo. O que leva um canal de TV ter os direitos de determinado campeonato e não o transmitir?

Hoje, nos canais esportivos de TV fechada temos alguns exemplos de campeonatos esquecidos. No Fox Sports estão guardados em uma ‘gaveta’ os campeonatos escocês e belga. Na ESPN temos a Championship ali, quietinha, sem contar o Campeonato Holandês com transmissão esporádica de seus clássicos.

No canal do ‘Tio Murdoch”, em meados de 2015, foi anunciado que a partir da temporada 15/16, haveriam transmissões ao vivo do campeonato belga e também do escocês. Pois bem, em julho de 2015 houve realmente a transmissão de dois jogos na rodada inicial da terra do chocolate. Assim como em agosto, houve transmissão da rodada inicial da terra do Whisky. Mas, como o nem tão bom dura pouco, assim que começaram as transmissões das suas principais ligas, inclusive com a outrora recente aquisição do Campeonato Espanhol, esses dois campeonatos foram escanteados. Raramente via-se um jogo importante do Celtic na Escócia ou do Anderlecht na Bélgica. Na temporada 16/17, a atual, o expediente continuou o mesmo ou pior. Com a perda dos direitos da Premier League, a Fox permaneceu com o expediente de iniciar a temporada mostrando o belga ao vivo, e depois somente VT’s durante a semana. No escocês, há uma pequena diferença para melhor, com a transmissão ao vivo de alguns jogos do Celtic e dos até agora dois Old Firm’s com o Rangers.

Carlos Salvador
fb.com/carlosaugusto.salvador
@calosalvador
As perguntas que ficam: Porque não sublicenciar por um valor justo, para outro canal que possa transmitir? Porque não transmitir jogos do belga ou escocês que são nos sábados pela manhã no Brasil, em vez de passar VT de jogos da última quarta-feira?

Lá pelos lados da Disney, a situação é um pouco mais agravante, devido a relevância dos campeonatos esquecidos. A Championship é o campeonato com a 6ª maior média de público do mundo, enquanto o Holandês é tradicionalmente um campeonato que revela muitos talentos promissores ao mundo. Em agosto de 2016 durante a abertura da temporada entre Fulham x Newcastle, o narrador Cleidi Oliveira acompanhado do comentarista Rafael Oliveira, deram a entender que a Championship nesta temporada estaria mais empolgante e atraente ao público. Uma pena que depois desta transmissão, o colunista não se recorde de ter assistido outra em sua TV. Pelos lados dos países baixos, a situação é a mesma a anos: Faz-se uma ou duas rodadas no início, e coloca-se muitas outras escondidas no WatchESPN, até retornar com algumas partidas nos sábados à tarde na ESPN+, ou alguns clássicos nacionais na ESPN. Pelo menos, quem possui o canal exclusivo em HD consegue acompanhar alguns raros jogos do Holandês.

As perguntas que ficam: A Championship tem jogos que são pela manhã no sábado e domingo no Brasil, porque não, usar esses jogos como um “pré Premier League” nesses dias? O campeonato holandês, não daria mais audiência nos canais ESPN, ESPNBR com jogos ao vivo, que um VT de uma partida da Premier League que já havia sido transmitido pela manhã?

Todas estas são perguntas difíceis de entender por parte do telespectador, principalmente aquele que assina pacote completo de TV por assinatura, não é muito fã de ver jogos via celular/tablete sem narração em português e gosta de futebol alternativo.

E você, caro leitor? Se você tem um carro e uma moto, você usa somente um deles, deixando o outro empoeirar e enferrujar na garagem? Diga aí na caixinha de comentários.

Até mais!

Curta nossa página no Facebook.
Siga o Esporteemidia.com no Twitter.
Nos acompanhe no Google+.